Músculos da coxa: Quadríceps

Músculos da coxa: Quadríceps

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no print
Vídeo aula: Quadríceps

Introdução:

O segmento da coxa é onde podemos encontrar alguns dos músculos mais potentes do corpo humano, quando nos referimos a torque de força muscular, e também ande encontramos os músculos mais longos ou compridos do corpo humano.

Na região da coxa, podemos dividir a musculatura de acordo com critérios topográficos (critérios de localização) em:

  • Músculos anteriores da coxa
  • Músculos posteriores da coxa
  • Músculos medias da coxa
  • Músculos laterais da coxa

Na região anterior da coxa, que tratamos neste post, encontramos basicamente dois músculos: Quadríceps e Sartório.

Músculo quadríceps

O músculo quadríceps, como o próprio nome sugere, é composto estruturalmente por quatro grandes ventres anteriores na coxa, que possuem pontos de origem distintos (inserções proximais), mas que se fundem distalmente formando um único tendão que se insere na base da patela, denominado tendão quadríciptal.

Ventres do quadríceps

  • Reto Femoral
  • Vasto lateral
  • Vasto medial
  • Vasto intermédio
Imagem ilustrativa: Músculo quadríceps

OBS: Oblíquos do quadríceps

Na região mais distal dos vastos lateral e medial, as fibras convergem em direção a base da patela e consequentemente, ao tendão quadríciptal. Desta forma, alguns autores consideram as porções distais dos vastos lateral e medial como sendo porções distintas, por possuirem direcionamento diferente de suas fibras, estando em sentido oblíquo. Desta forma, além das funções dinâmicas do quadríceps, os oblíquos medial e lateral são responsáveis, juntamente com os retináculos medial e lateral da patela, pela estabilização da articulação fêmuro patelar durante os movimentos de flexão e extensão do joelho.

Características do quadríceps

• Apresenta 4 cabeças de origem

• inserção única – tendão quadricipital e ligamento patelar

• O reto femoral é o único biarticular ou seja atravessa as articulações  do joelho e do quadril

Ventres do Quadríceps (pontos de inserção e funções)

Reto femural:

• Origem: EIAI (Espinha Ilíaca Ântero Inferior) e contorno póstero superior do acetábulo;

• Inserção:  ligamento patelar / Tuberosidade Anterior da Tíbia

• Ação: extensão de joelho e flexão coxa (sinergista)

Imagem ilustrativa
Netter

Vasto medial:

• Origem: linha inter trocantérica e lábio medial da linha áspera

• Inserção: tendão patelar/ Tuberosidade Anterior da Tíbia

• Ação: extensão do joelho

Vasto Lateral

• Origem: linha inter trocantérica e lábio medial da linha áspera

• Inserção: ligamento patelar / Tuberosidade anterior da tíbia

• Ação: extensão de joelho

Vasto Intermédio

• Origem: face anterior e lateral do corpo de fêmur

• Inserção: ligamento patelar/ Tuberosidade anterior da tíbia (TAT)

• Ação: extensão de joelho

Imagem ilustrativa
Netter

Tendão patelar ou Ligamento patelar?

É comum encontrarmos divergências nas literaturas quanto à classificação do tendão ou ligamento patelar. Tal fato se deve pois um tendão, nada mais é do que o ponto de inserção de um músculo, enquanto um ligamento é o ponto de inserção de um osso em outro osso, com finalidade específica de promover estabilidade. Desta formo, podemos observar que estruturalmente, deveria ser classificado como um ligamento, pois liga o ápice da patela (porção inferior da patela) até a tuberosidade anterior da tíbia (TAT). Porém, a função não é gerar estabilidade, mas sim fazer uma inserção indireta do quadríceps na tíbia, ficando a patela então entre os tendões quadríciptal (proximal) e patelar (distal).

Patela:

Como podemos notar quando estudamos o quadríceps e sua inserção distal, percebemos que a patela fica interposta entre os tendões quadríciptal e patelar. Tal fato ocorre pois os ventres do quadríceps são longos, e durante uma flexão de joelho maior do que 90 graus, haveria uma “dobra”do músculo, causando atrito entre o tendão e o fêmur em sua extremidade distal. Desta forma, a patela é um osso sesamóide que possui a função biomecânica de manter o torque de força do quadríceps durante os momentos de flexão de joelho, atuando como uma roldana e evitando impactos ou atritos na região anterior.

OBS: A função biomecânica da patela é muito bem realizada evitando atrito na região anterior durante movimentos até 90 graus de joelho. Após essa angulação, quanto mais flexionado, maior o atrito da patela, podendo acarretar em condropatias e dores na região anterior do joelho.